22.4 C
Bruxelas
10 Agosto 2022

Ucrânia: Portugal destaca relação excelente nos 30 anos dos laços diplomáticos

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considerou hoje que Portugal e a Ucrânia têm um “relacionamento de excelência”, ao assinalar os 30 anos das relações diplomáticas entre os dois países.

“Temos um relacionamento de excelência, baseado na cooperação e solidariedade, ainda mais evidente em crises exigentes como a atual”, escreveu Augusto Santos Silva na rede social Twitter, numa alusão à crise entre a Ucrânia e a Rússia.

“As comunidades radicadas em ambos países são cruciais nestes laços e são o melhor exemplo dessa proximidade enriquecedora”, acrescentou o chefe da diplomacia portuguesa.

Portugal e a Ucrânia estabeleceram relações diplomáticas em 27 de janeiro de 1992, mas o primeiro embaixador residente em Kiev, Manuel Henrique Corte-Real, só apresentou credenciais em 19 de dezembro de 1993.

A Ucrânia viva atualmente momentos de elevada tensão devido à presença de cerca de 100.000 tropas russas na sua fronteira.

O Governo de Kiev e os países ocidentais acusaram a Rússia de pretender invadir de novo o país vizinho, depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014, mas Moscovo negou tal intenção.

Face ao clima de tensão, alguns governos ocidentais aconselharam os seus cidadãos a sair da Ucrânia, onde residem 216 cidadãos portugueses, a maioria com dupla nacionalidade.

Na passada segunda-feira, Augusto Santos Silva disse que o Governo está em contacto com os portugueses residentes na Ucrânia, incluindo os “cerca de 10” que vivem na região de Donbass (Leste), onde separatistas pró-russos estão em guerra com Kiev desde 2014.

Estão todos “recenseados e sabemos quem são e onde estão”, disse então Augusto Santos Silva, no final de uma reunião em Bruxelas dos chefes da diplomacia da União Europeia (UE) sobre a crise na Ucrânia.

O ministro disse que o Governo mantém com os residentes no Leste da Ucrânia um “especial contacto para averiguar as suas condições de segurança e bem-estar”, mas sem qualquer questão até então.

Os Estados Unidos e outros países pediram aos familiares dos diplomatas em Kiev para abandonarem a Ucrânia “devido à ameaça persistente de uma operação militar russa”, mas Portugal e os restantes membros da UE mantêm o pessoal diplomático no país.

Em relação às viagens para a Ucrânia, Augusto Santos Silva disse na segunda-feira que Portugal desaconselha as deslocações à região de Donbass desde 2014, bem como “as viagens não essenciais para a Ucrânia” devido à pandemia de covid-19, por ser um Estado terceiro.

“Falei com o embaixador português em Kiev e pedi-lhe para reavaliar […] para saber se era preciso evoluir nestes conselhos”, mas “mantemos o desaconselhamento das viagens para a região e para a Ucrânia, decisão que não é de agora nem motivada pelos acontecimentos de agora e que já vem de trás”, disse então Augusto Santos Silva.

Artigos relacionados

Últimos artigos