23.3 C
Bruxelas
13 Agosto 2022

Trabalho infantil destaca-se na agricultura

Clique para ampliar Quase 60 por cento das crianças envolvidas em trabalho infantil estão na agricultura, um dos setores mais perigosos, com crianças a partir dos cinco anos a trabalhar no pastoreio, segundo revela um relatório da FAO (agência das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) divulgado nesta segunda-feira.

Intitulado ‘Trabalho infantil na pecuária, o relatório da FAO conclui que pouco se sabe sobre o envolvimento das crianças nesta atividade, em que a participação dos menores é comum, cultural e tradicional.

Embora reconheça que a participação na agricultura pode ser um fator normal do crescimento, desde que em tarefas adequadas à idade, que não tenham riscos para a saúde e que não interfiram com o tempo necessário para estudar e brincar, a FAO sublinha que muito do trabalho das crianças na pecuária pode ser categorizado como trabalho infantil.

“É provável que seja perigoso, que interfira com a educação da criança e que seja prejudicial à saúde e ao desenvolvimento físico, mental, espiritual, moral ou social”, pode ler-se no texto.

O relatório realizado mostra que o trabalho infantil no pastoreio – a mais documentada de todas as atividades infantis na agricultura – “pode começar muito cedo, entre os cinco e os sete anos”.

As condições de trabalho das crianças que pastoreiam o gado variam bastante, adianta o relatório, segundo o qual algumas crianças podem fazê-lo algumas horas por semana sem deixar de frequentar a escola, mas outras passam dias seguidos naquela atividade, às vezes longe de casa, e sem qualquer possibilidade de escolaridade.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/trabalho-infantil-destaca-se-na-agricultura

Artigos relacionados

Últimos artigos