2.4 C
Bruxelas
3 Dezembro 2022

Privatização pode melhorar programação lamentável?

Clique para ampliar O secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, afirmou que a RTP internacional tem “uma programação lamentável”, considerando que o canal “tem sido o parente pobre da RTP” e só a privatização poderá resolver o problema.

José Cesário participou durante a tarde na iniciativa “Entrevista Pública”, organizada na rede social facebook pelo LusoJornal, um semanário dirigido à comunidade portuguesa em França e na Bélgica.

“A RTP internacional tem realmente uma programação lamentável. Sinceramente, penso que só no contexto da privatização total ou parcial da [televisão] pública essa questão poderá ser resolvida. Até hoje, a RTPi tem sido o parente pobre da RTP pública, que a tem desprezado”, disse.

O secretário de Estado fez a afirmação em resposta às questões colocadas pelo diretor do semanário, Carlos Pereira, sobre “as críticas que as comunidades fazem” a este canal.

José Cesário afirmou ainda que as permanências consulares conseguem superar “parcialmente” o encerramento de diversas representações consulares em França registadas nos últimos anos (no início deste ano o Governo encerrou os vice-consulados de Clermont-Ferrand, Nantes e Lille).

O governante considerou que “é impossível responder com eficácia a todas as comunidades” portugueses residentes no país, algumas a viver “a milhares de quilómetros do consulado mais próximo”.

Contudo, defendeu o trabalho que tem sido feito pelo Governo: “Neste momento, por exemplo, está a realizar-se uma permanência em Bourges. Nunca lá houve qualquer consulado e há muitos portugueses”, acrescentou.

“A rede consular está a evoluir em todos os países do Mundo. Cada vez se justifica menos ter escritórios fixos, tendo em conta a grande mobilidade das nossas comunidades. Por isso a nossa aposta passa por ter alguns bons consulados e uma rede eficaz de permanências consulares, que nos está a levar a imensas cidades onde nunca apoiámos as respetivas comunidades”, concluiu José Cesário.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos