21.4 C
Bruxelas
17 Agosto 2022

Portas nos EUA deixa apelo: Votem e sejam eleitos

Clique para ampliar O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Paulo Portas, apelou na Câmara dos Representantes de Massachusetts, Estados Unidos, para que os luso-descendentes no país aumentem a sua participação cívica, “elegendo e sendo eleitos”.

“É fundamental que os descendentes portugueses votem e sejam votados, elejam e sejam eleitos, são parte de uma sociedade democrática”, disse o chefe da diplomacia portuguesa em Boston, nordeste dos Estados Unidos.

Portas foi o convidado de honra do 28.º Dia da Herança Portuguesa na assembleia do estado de Massachusetts, em que participaram senadores e congressistas luso-descendentes, a quem transmitiu o “orgulho” que Portugal pela posição a que ascenderam “todos os eleitos luso-americanos”.

A sessão contou com a participação dos senadores luso-descendentes Marc Pacheco e Michael Rodrigues e dos representantes António Cabral, Viriato de Macedo, John Fernandes, Kevin Aguiar e David Vieira, que compõem o “caucus” legislativo luso-americano em Boston, além de outros legisladores norte-americanos.

Estiveram ainda presentes o embaixador de Portugal em Washington, Nuno Brito, bem como os representantes consulares de Boston, Paulo Cunha Alves e New Bedford, Graça Fonseca.

Portas deixou também uma homenagem a “uma nova geração altamente profissional que provou estar no topo através de vários programas de cooperação científica, tecnológica e económica” nos Estados Unidos e a membros destacados da comunidade que foram hoje homenageados.

“O desafio hoje é revigorar este espírito e a vontade dos membros da nossa comunidade luso-americana para novos níveis de ambição e alcançar novos objetivos internamente e no quadro das relações entre os nossos dois países”, disse o ministro português.

Na assistência estavam os cerca de 15 homenageados, acompanhados dos seus familiares, que incluíram luso-descendentes como John Amaral, capelão das forças de segurança e missionário em teatros de tragédias como o Haiti ou a Índia, e Liliana de Sousa, organizadora do festival português de Provincetown.

Das mãos dos senadores ou congressistas que os propuseram e do ministro dos Negócios Estrangeiros receberam o Prémio da Herança Portuguesa, um medalhão com o escudo do Massachusetts numa das faces e o de Portugal na outra.

Para o ministro, a comemoração de hoje foi “mais uma marco significativo” para o reconhecimento da comunidade portuguesa na Nova Inglaterra, além de um contributo para fortalecer as relações “entre dois povos e dois países”.

Sublinhou ainda “acreditar firmemente no elo transatlântico entre Europa e Estados Unidos”, que no século XX “derrotou o nazismo e comunismo, mantendo a liberdade para centenas de milhões de cidadãos”.

O Atlântico, afirmou, é “fonte de identidade, independência e futuro para Portugal como nação e estado”.

Coube ao senador Marc Pacheco ler uma declaração do governador de Massachusetts, Deval Patrick, proclamando, como vem sendo hábito, o mês de junho como o da Herança portuguesa no Eetado.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos