1.8 C
Bruxelas
3 Dezembro 2022

Portas insiste em pedir contributo do PS

Clique para ampliar O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros apelou nesta quarta-feira ao contributo do PS na redução da “despesa estrutural”, recusando que tal necessite de uma revisão da Constituição ou que coloque em causa o estado social.

Paulo Portas dedicou uma parte substancial da sua intervenção no Parlamento, a encerrar o debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2013, a dirigir-se ao PS e ao seu secretário-geral, António José Seguro, mas nomeou também o papel do Presidente da República e da UGT na criação de um consenso para cortar na “despesa estrutural”.

“Quando o que está em causa é um objectivo nacional, permitam-me destacar, sem evidentemente desmerecer ninguém ou qualquer instituição, o papel decisivo da UGT como factor de coesão social e o papel integrador do senhor Presidente da República como factor de consenso político”, apontou.

Paulo Portas disse inclusivamente a António José Seguro que supunha que os portugueses “o olhariam e graduariam até de outro modo enquanto candidato a primeiro-ministro, se numa hora de verdade contribuísse com a sua marca para uma acordo nacional sobre uma redução de despesa que está a mais e deve ser reduzida com sentido de justiça”.

“Porque é que, a nosso ver, o PS não deve sentir como uma ameaça nem deve sentir uma excessiva solidão nesta vontade de compromisso? Porque sendo a despesa estrutural uma questão nacional, a abertura do Governo para um acordo deve ser partilhada, tendo em conta uma forte valorização da concertação social e uma boa colaboração com os demais órgãos de soberania”, afirmou.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/portas-insiste-em-pedir-contributo-do-ps

Artigos relacionados

Últimos artigos