16.9 C
Bruxelas
18 Agosto 2022

Pílula vende-se cada vez menos

Clique para ampliar A venda das pílulas tem vindo a registar uma quebra acentuada em Portugal. Em 2012 venderam-se menos dois milhões de embalagens em relação a 2007, uma quebra de 6,2 milhões de euros.

Nos últimos três anos, segundo os dados da IMS Health, a quebra cifra-se em um milhão de embalagens (ver quadro). Segundo especialistas contactados pelo CM, a queda nas vendas é justificada com o aumento das pílulas oferecidas nas consultas de planeamento familiar nos centros de saúde e pela opção por outros métodos contracetivos, como os dispositivos intrauterinos ou os implantes subcutâneos. A diminuição do número de mulheres em idade fértil é outra das justificações avançadas.
Uma das pílulas com diminuição nas vendas é a Diane 35 (princípio ativo ciproterona/etinilestradiol), cujos critérios de segurança estão a ser avaliados pela Autoridade Europeia do Medicamento. Essa reavaliação surge depois da suspeita de o medicamento estar relacionado com a morte de quatro mulheres em França, nos últimos 25 anos. A Diane 35 está à venda em Portugal há 25 anos. Porém, não foram registados casos de tromboses (tromboembolismo) ou mortes relacionadas, segundo a Autoridade Nacional do Medicamento. As reações adversas reportadas foram sintomas ligeiros, como dores abdominais.

Lisa Vicente, da Direção-Geral da Saúde, afirmou ao CM que os dados agora divulgados não são novidade, dado que o risco de tromboembolismo é conhecido desde os anos 90 do século passado.

“Milhões de mulheres tomaram a pílula e o risco é de 1,7% para 100 mil habitantes.” A sua suspensão não se justifica mas, sublinha, a toma deve ser “sob orientação clínica”.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/saude/pilula-vende-se-cada-vez-menos

Artigos relacionados

Últimos artigos