2.1 C
Bruxelas
3 Dezembro 2022

Pedalar por uma causa maior (vídeo)

Clique para ampliar “Rumo às alturas… e mais além!” Eis a meta que se desenha no horizonte de Fernando Pereira, um português que se propõe pedalar, desde Genebra a Nice, para ajudar duas associações de solidariedade social sediadas em Soure, a terra que o viu nascer.

O desafio inicial era percorrer a Haute Route, “uma das provas ciclo-desportivas amadoras mais difíceis do mundo”. “Depois, surgiu a ideia de acrescentar uma motivação extra: um valor de solidariedade”, revela Fernando Pereira.

O objectivo passa por angariar fundos para a Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Soure (APPACDM) e a Associação Cultural Recreativa e Social de Samuel (ACRSS). “O Estado Social constitui a melhor arma contra a pobreza, mas isso não impede que a sociedade civil organizada e as acções individuais de solidariedade também tenham um papel a desempenhar”, justifica.

No website oficial da iniciativa, Fernando lança o apelo: “faça virtualmente alguns quilómetros comigo para que juntos possamos ajudar quem precisa a melhor singrar na vida”. Para ajudar basta adquirir uma camisola de desporto (disponíveis dois modelos que reproduzem duas obras do pintor português Sérgio Portugal), por 45 euros; fazer um donativo, segundo a fórmula 1 km = 1 €; comprar uma camisola de ciclismo criadas pela artista francesa Françoise Vigot (à venda só a partir de Junho) ou divulgar a página da iniciativa (http://www.wb.rumoalturas.be/), junto de familiares e amigos ou através das redes sociais. “As receitas revertem integralmente para as associações, descontando o custo de fabrico das camisolas”, sublinha.

Para assegurar uma transparência quanto as fundos colectados, Fernando disponibilizará as contas no website regularmente actualizadas. Por outro lado, o mentor desta ideia quer destinar o montante angariado a “um projecto concreto, cuja evolução e concretização possam ser seguidas pelos que contribuíram”.

“Daí que tenha convidado as duas associações a apresentarem, até 31 de Maio, um projecto para ser apoiado pelos fundos disponíveis. Pode não haver dinheiro suficiente para os dois projectos e, nesse caso, os fundos serão distribuídos proporcionalmente”, informa.

À espera da sensibilidade dos emigrantes

Na terra natal, à excepção das pessoas ligadas às duas associações beneficiárias, a iniciativa “não é muito conhecida”. “Desde o início, pretendi que o esforço de divulgação fosse centrado na Bélgica: é aqui que resido e trabalho. É mais fácil desenvolver essa tarefa aqui. No entanto, algumas acções de divulgação também serão realizadas em Soure, contando com a ajuda de alguns amigos e familiares”, explica.

Em território belga, o trabalho de divulgação conta só com algumas semanas, mas o acolhimento tem sido “muito bom”. Fernando espera que se crie um “efeito «bola de neve», em que as pessoas dêem a conhecer a iniciativa”.

Por outro lado, a comunidade portuguesa radicada na Bélgica sempre mostraram “grande generosidade para com a sua terra natal” e, por isso, Fernando acredita que ficarão “sensíveis a esta iniciativa”.

O mentor de “Rumo às alturas… e mais além!” lembra que o importante é que “cada um participe consoante as suas possibilidades”. Afinal, “as pequenas ribeiras fazem os grandes rios”.

Estreante na Haute Route Alps

Nascido em Soure, vila do distrito de Coimbra, Fernando Pereira licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas e, também, em Direito. Trabalha desde 1987 na Comissão Europeia, onde desempenhou funções de tradutor e de jurista. Desde Junho do ano passado que trabalho na área do controlo dos auxílios de Estado na área das pescas.

Aos 55 anos, Fernando, praticante regular de ciclismo, decide estrear-se na Haute Route Alps. Gosta de provas de resistência e, no seu currículo, já conclui 10 de 11 maratonas em que participou. As despesas com a viagem serão todas suportadas pelo próprio atleta.

Entre 18 e 24 de Agosto, Fernando terá de pedalar mais de 860 quilómetros pelos míticos Alpes franceses. Tantas horas ao selim exigem, pois, uma preparação conveniente, que poderá ser acompanhada, a par e passo, em http://www.wb.rumoalturas.be/ma-preparation/em-portugues/

Nesta fase, Fernando procura fazer três sessões de 45 a 60 minutos de spinning e uma sessão mais longa ao fim-de-semana, na estrada (se as condições atmosféricas não forem adversas) ou no home trainer.

“Só acredito na preparação e no trabalho. Se me preparar devidamente, deverei chegar a Nice sem problemas de maior, excepto algum acidente, que pode sempre acontecer”, confidencia Fernando.

O atleta está consciente de que o principal problema será a acumulação do cansaço. “Cada etapa individualmente é já difícil, mas sete etapas em sete dias consecutivos levantam problemas de recuperação física que terei de gerir.”

No plano desportivo, Fernando tem três objectivos bem definidos: “bom seria acabar a prova sem nunca ter excedido os tempos máximos para cada etapa; muito bom seria acabar na primeira metade da classificação; excelente seria chegar nos primeiros 200”.

Na vertente solidária, este emigrante português acredita na generosidade das pessoas e promete que tudo fará para que a iniciativa “Rumo às alturas… e mais além!” seja “um sucesso”.

Patrícia Posse

Artigos relacionados

Últimos artigos