16.9 C
Bruxelas
18 Agosto 2022

Passos Coelho: “Não há razão para pessimismo”

Clique para ampliar Pedro Passos Coelho fez ontem questão de frisar que “o que aconteceu ao nosso País não foi um imprevisto”, reiterando que a situação de crise não foi “inesperada” mas sim “um facto previsível”. Apesar disso, o primeiro ministro apelou aos portugueses para não caírem num “pessimismo excessivo” mesmo com as medidas de austeridade.

O chefe do Governo, que visitou ontem as novas instalações da Sicasal, em Mafra, um ano depois do incêndio que destruiu grande parte da fábrica, usou a situação da empresa de salsichas para fazer uma analogia com o que se passa em Portugal, que vive uma situação difícil, mas que irá recuperar. “Temos de lutar de forma intensa contra as adversidades”, apelando a um “consenso político e social alargado” para tirar o País da crise. Passos Coelho não tem dúvidas de que o programa de ajustamento terá sucesso, mas reconhece que o caminho até esse momento chegar é difícil. Mas mesmo assim “não há razão para excesso de pessimismo”, apesar dos “problemas graves” que Portugal enfrenta.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/politica/passos-coelho-nao-ha-razao-para-pessimismo

[ Greve geral: Fechadas 40 embaixadas e consulados ]

[ Cavaco Silva respeita direito à greve, mas decidiu trabalhar para futuro com mais emprego e crescimento ]

[ Taxa de desemprego sobe para os 15,8% ]

Artigos relacionados

Últimos artigos