28.6 C
Bruxelas
10 Agosto 2022

Panteão Nacional

 Feito concurso em 1683 para estudo do melhor projecto, foi este ganho pelo arquitecto João Antunes (1642-1712), que dirigirá a primeira fase da construção. O risco de Antunes, tira partido da desafogada situação paisagística do sítio, a meio da encosta defronte do Tejo, e constitui a primeira obra de claro figurino barroco no panorama arquitectónico nacional. O modelo é centralizado, de vastas proporções, definindo uma cruz grega de flancos sinuosos, com associação de quatro torreões-bloco, numa longínqua evocação de San Pietro in Montorio e San Satiro em Milão, de Donato Bramante, e com influências de Guarini (fachada do palazzo Cornaro), acrescido de riquíssimo ornamento mosaicista.

O templo, mostra um desenho encurvado dos braços da cruz grega, formando ábsides que se articulam com o pano murário rectilíneo dos torreões e criam um efeito espacial único, tirando partido da parede-ondulante, tal como as igrejas e palácios romanos e parisienses do século XVII. O portal mostra quatro colunas espiraladas de pedra rósea, com capitéis compósitos e remate de baixo-relevo com a padroeira (talvez de Laprade).

 À morte de João Antunes a igreja estava longe de acabada, sendo as obras dirigidas por Manuel do Couto (que cerra a abóbada central) e Santos Pacheco, com intervenções do cônsul-arquitecto Antoine Duverger, até sofrer os efeitos do terremoto. Tais vicissitudes levaram a que as obras só fossem acabadas em meado do século XX (já como Panteão Nacional, criado em 1916), pelos arquitectos da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (Raul Lino, Lyster Franco), sem término das torres e com adjacência de uma abóbada com lanternim, demasiado desproporcionada para a sólida estrutura espacial definida no projecto barroco de Antunes. Mesmo com tais adições, que os atrasos impuseram, houve respeito pela traça aprovada no concurso de 1683, deixando incólume a novidade estrutural daquela que é a primeira igreja portuguesa verdadeiramente barroca.

© www.ippar.pt


Endereço : Panteão Nacional Campo de Santa Clara 1100 Lisboa

Horário : Terça-feira a Domingo – 10:00/17:00

Encerra à segunda-feira e nos feriados de 1 de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de Maio e 25 de Dezembro.

Ingresso Normal : € 2

Jovens (15 a 25 anos) e reformados : € 1

Portadores do Cartão Jovem : € 0.8

Crianças até aos 14 anos : gratuito.

Domingos e Feriados até às 14:00 : gratuito.

Telefone : +351 218 854 820 Fax : +351 218 854 839 E-mail : panteao@ippar.pt

Serviço Educativo : Essencialmente dirigido a escolas. Marcações : Tel. +351-218 881 529 Fax +351 218 867 317

Visitas Guiadas : Vocacionado essencialmente para grupos, através de marcação prévia : Tel. +351 218 854 820 Fax : +351 218 854 839

Loja : Publicações diversas, postais, materiais de divulgação. Réplicas de peças das colecções, objectos de ourivesaria e de porcelana. Tel. +351 218 854 820

Acessos : Eléctrico 28

Acesso a Deficientes : É possível o acesso de deficientes ao R/C. Para os restantes pisos existe elevador, mas as suas dimensões não são suficientes para cadeiras de rodas.

Artigo anteriorIgreja de Miranda
Próximo artigoSanta Maria da Gra

Artigos relacionados

Últimos artigos