25.5 C
Bruxelas
18 Agosto 2022

Palácio de Mafra

A direcção da obra coube a João Frederico Ludovice, ourives alemão, com formação de arquitectura em Itália, que adoptou um modelo barroco classicizante, inspirado na Roma papal, e de influência berniniana, onde não faltam igualmente elementos borrominianos, nomeadamente nas torres, e algumas influências germânicas. As obras iniciaram-se em 1717, ano do lançamento da primeira pedra, e a 22 de Outubro de 1730, dia do 41º aniversário do rei, procedeu-se à sagração da basílica.

 O Palácio-Convento possui uma das mais importantes bibliotecas portuguesas, constituída por cerca de 40 000 livros, e numerosas obras artísticas encomendadas pelo monarca no país, em França, Flandres (de onde procedem os dois carrilhões de 92 sinos) e Itália. Inácio de Oliveira Bernardes, Masucci, Giaquinto, Lironi ou Ludovisi são alguns dos artistas que participaram nesta empreitada joanina, e durante o reinado de D. José criou-se mesmo a Escola de Escultura de Mafra, dirigida pelo italiano Alessandro Giusti, e por onde passou Machado de Castro.

No reinado de D. João VI o Palácio foi habitado durante todo o ano de 1807, antes da partida da corte para o Brasil, e a ele se deve a renovação decorativa de algumas das salas mais importantes, cujos projectos foram entregues a homens como Cyrillo Wolkmar Machado, Domingos Sequeira ou Vieira Lusitano. A maior parte do tempo, todavia, o Palácio-Convento foi visitado apenas esporadicamente e o mesmo se passou depois de regressada a corte a Portugal. Daqui partiu para o exílio o último rei português, D. Manuel II, a 5 de Outubro de 1910, depois de proclamada a República.

 Na actualidade, o imóvel encontra-se parcialmente afecto ao IPPAR que desenvolve um Programa de recuperação e valorização, a partir de um Estudo prévio, elaborado entre 1994 e 1997. Entre as várias acções previstas, em andamento ou já concluídas, destacam-se as obras de recuperação das fachadas, caixilharias e cobertura, assim como a reformulação do circuito de visitas ao Palácio. Outra prioridade absoluta foi a recuperação dos órgãos históricos, apoiada em regime de mecenato pelo Barclays Bank e que conta com a participação de um Grupo de Apoio Científico, constituído por especialistas nacionais e estrangeiros ; estando já concluído o restauro de dois dos órgãos, o do lado do Evangelho e o do lado da Epístola, decorre de momento o restauro do terceiro e quarto, numa empreitada a concluir em 2004.

© www.ippar.pt


Endereço : Palácio Nacional de Mafra 2640 Mafra.

Horário Palácio : 10:00-17:30(última entrada às 16:30)

Encerrado à terça-feira e nos feriados de 1 de Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de Maio, 29 de Junho (feriado municipal) e 25 de Dezembro.

Biblioteca (serviço aos leitores) dias úteis : 10.00-12.30/14.00-17.00

Basílica : todos os dias 10:00-13:00/14:00-17:00

Ingresso Normal : € 4

Jovens (15 a 25 anos) e reformados : € 2

Portadores do Cartão Jovem : € 1.6

Crianças até aos 14 anos : gratuito.

Domingos e feriados até às 14:00 : gratuito.

Telefone : +351 261 817 550 Fax : +351 261 811 947 E-mail : pnmafra@ippar.pt

Serviço Educativo : Acompanhamento de escolas dos vários graus de ensino, professores e outros grupos, sob marcação. Coordenação : Drª Maria Fernanda Monteiro dos Santos. Tel. +351 261 817 550 (ext. 36)

Visitas Guiadas : Marcações obrigatórias. Tel. +351 261 817 550

Loja : Publicações diversas, postais, material científico e didáctico, réplicas de peças das colecções e materiais de divulgação. Tel. +351 261 817 550.

Acessos :

Acesso a Deficientes : Basílica : acesso parcial (pequeno lanço de escadas sem rampa).

Autocarro da Mafrense, com partidas de Sintra, Ericeira e Lisboa (Campo Grande).

Parque de estacionamento.

Artigos relacionados

Últimos artigos