1.8 C
Bruxelas
3 Dezembro 2022

Muitos dos hostels do Porto são ilegais

Clique para ampliar O Porto registou nos últimos cinco anos um oom de hostels e hoje há 26 unidades hoteleiras do género e seis novos pedidos diários na câmara, mas só 10 é que estão legalizados, alerta a responsável pela Associação de Hostels do Norte de Portugal.

Informações recolhidas pelo Turismo do Porto junto da Câmara Municipal do Porto indicam que dos 26 hostels identificados na cidade só 10 estão com o processo de legalização terminado pela autarquia, entidade responsável para atestar a classificação dos alojamentos locais e para os fiscalizar.

Em entrevista à Lusa, o presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira, explicou que há cinco anos existia “um hostel” na cidade do Porto, “no máximo dois”, e que se calcula que haja atualmente 26.

O oom destas unidades hoteleiras com preços mais baixos é um facto incontornável no Porto e “estão a dar uma dinâmica fora de série à cidade”, conta à Lusa Joana Dixo, responsável pela Associação de Hostels no Norte de Portugal e proprietária do Dixos Oporto Hostel, unidade que em 2011 recebeu a distinção de 3.º melhor do mundo nas categorias de mais pequeno (até 50 camas) e mais limpo.

A jovem empresária critica, todavia, a explosão avassaladora das unidades hoteleiras low cost no Porto, que vendem camas por “seis euros” a noite e que podem comprometer a qualidade dos hostels já implementados no Porto, alguns deles distinguidos com prémios de qualidade.

Para fazer face à concorrência de unidades hoteleiras ilegais, a Associação de Hostels quer criar uma marca de qualidade para fazer a distinção num mercado em que começam a existir mais camas do que clientes”, anunciou aquela responsável, referindo que o plano é criar a marca em parceria com o Turismo do Porto e Norte de Portugal.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos