0.4 C
Bruxelas
4 Dezembro 2022

Morreu Maria José Nogueira Pinto

Clique para ampliar A deputada independente eleita pelas listas do PSD Maria José Nogueira Pinto morreu esta quarta-feira, aos 59 anos, disse à Lusa fonte do grupo parlamentar social-democrata.


O deputado e antigo presidente do CDS-PP José Ribeiro e Castro afirmou hoje que a morte de Maria José Nogueira Pinto foi uma “grande perda para Portugal”, enaltecendo o seu exemplo de “coragem” e “verticalidade”.

“A morte da Maria José Nogueira Pinto é uma grande perda para Portugal, para o nosso tempo. É também, no meu caso pessoal, a perda de uma amiga que vai fazer muita falta aqueles que lhe são mais próximos, à sua família e aqueles que tiveram a sua companhia e o seu conselho durante muitos anos”, afirmou Ribeiro e Castro.

O antigo presidente democrata-cristão sublinhou que Maria José Nogueira Pinto “foi uma mulher de intensa intervenção pública, de grande sentido cívico, e que marcou muito os últimos anos da vida portuguesa, em diferentes áreas onde interveio”.

“Foi um exemplo e uma inspiração ver como já afetada pela doença manteve um combate político como candidata e fazendo-se reeleger deputada”, afirmou, referindo também a atividade como colunista, na imprensa, que continuou a desenvolver.

“Mostrou nestes últimos meses, nesta última etapa difícil da sua vida, a coragem que foi talvez um dos traços mais característicos da sua presença na vida portuguesa, assim como uma enorme verticalidade”, disse Ribeiro e Castro, numa declaração emocionada aos jornalistas, no Parlamento.

O deputado democrata-cristão evocou Maria José Nogueira Pinto como “uma pessoa que pelo sentido forte da sua intervenção” dificilmente receberia “unanimidade naquilo que foi o seu testemunho”.

“Era uma mulher muito clara na afirmação das suas convicções, mas decerto colherá unanimidade de todos nós nesta casa a forma extremamente digna como viveu a esteve sempre presente nos trabalhos parlamentares e na vida política nestes últimos meses da sua vida”, afirmou.

Ribeiro e Castro lembrou igualmente a sua faceta de “católica” e “cristã empenhada”, que “procurou sempre viver na companhia de Deus, que é uma coisa difícil”.

Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos