6.7 C
Bruxelas
27 Novembro 2022

Jovens licenciados vão estagiar em cinco aldeias do Alqueva para dinamizarem a economia local

Clique para ampliar Quinze jovens licenciados vão estagiar, a partir de segunda-feira e durante nove meses, em cinco aldeias ribeirinhas do Alqueva para criarem negócios capazes de dinamizar a economia das localidades e as potencialidades criadas pela albufeira.

Através do projeto “Aldeias Ribeirinhas do Grande Lago Alqueva”, os jovens, vão ser distribuídos por quatro aldeias do distrito de Évora – Capelins (Alandroal), Luz (Mourão), Alqueva (Portel) e Campinho (Reguengos de Monsaraz) – e uma do distrito de Beja – Povoa de São Miguel/Estrela (Moura).

Segundo divulgou hoje a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), uma das promotoras, o projeto pretende procurar “soluções inovadoras e sustentáveis” para “dinamizar económica, social e culturalmente” as aldeias e “as potencialidades criadas pelo Grande Lago Alqueva”.

Para tal, os 15 jovens licenciados em várias áreas vão fixar-se durante nove meses nas cinco aldeias, onde, através dos estágios profissionais, irão desenvolver as suas competências e “envolver-se na vida” das localidades para “perceber” as suas potencialidades e criar negócios e projetos empresariais sustentáveis a longo prazo.

Os negócios e os projetos empresariais, que deverão potenciar os recursos, a cultura e as tradições locais e ser uma “mais-valia” para as cinco aldeias, terão de ser criados através de uma “estratégia coerente e fortemente articulada com as populações e os recursos endógenos”.

O trabalho desenvolvido pelos 15 jovens licenciados, que irão receber uma bolsa do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), será acompanhado diariamente por um orientador de estágio e apoiado por duas comissões, uma técnica e outra de acompanhamento.

Segundo a EDIA, a filosofia do projeto “inspira-se e segue” a metodologia do “Projeto Querença”, que está a ser desenvolvido pela Universidade do Algarve na aldeia de Querença, no concelho de Loulé.

A metodologia fundamenta-se numa ação-piloto de resolução de problemas, de investigação-ação e de aprender, apreender e empreender no próprio local, através do contacto direto com os problemas e as populações das aldeias e da procura de soluções “inovadoras e sustentáveis” para a economia e a sociedade locais.

O projeto é também promovido pela Associação Transfronteiriça dos Municípios das Terras do Grande Lago Alqueva e tem como parceiros os municípios de Alandroal, Moura, Mourão, Portel e Reguengos de Monsaraz, a Universidade de Évora e a Delegação Regional do Alentejo do IEFP.

LUSA

Artigos relacionados

Últimos artigos