3.8 C
Bruxelas
8 Dezembro 2022

Holandesa confessa homicídio… 65 anos depois

Clique para ampliar Uma cidadã holandesa, de 96 anos, confessou às autoridades ser a autora de uma homicídio ocorrido em 1946 que, até ao momento, ainda não tinha sido resolvido.


Attie Ridder-Visser escreveu ao presidente da Câmara de Leiden, no dia 1 de Janeiro deste ano, a admitir matou Felix Gulje após a II Guerra Mundial, por pensar que ele tinha colaborado com o regime nazi, conta o New York Daily News.

Ridder-Visser, que fez parte da resistência holandesa, explicou que se dirigiu a casa de Felix Gulje na noite de 1 de Março de 1946 e o alvejou no peito. Após o crime, fugiu para a Indonésia, onde se casou. Viveu ainda em Espanha, antes de regressa definitivamente à Holanda.

Felix Gulje era proprietário de uma empresa de construção e, na altura, falava-se no seu nome para ocupar um alto cargo político, facto pelo qual o seu assassínio chocou ainda mais os holandeses.

Durante a II Guerra Mundial, alguma imprensa apontou-o como sendo um colaborador nazi. A realidade veio mostrar, porém, que ele deu protecção a vários judeus e permitiu que uma associação católica, cuja actividade tinha sido proibida, realizasse reuniões secretas em sua casa.

A polícia nunca suspeitou que a responsável pelo seu homicídio fosse Attie Ridder-Visser, que em Maio se encontrou com dois dos netos de Felix Gulje, segundo adiantam as autoridades.

Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos