28.6 C
Bruxelas
10 Agosto 2022

Fátima Lopes levou a Paris as flores madeirenses

Clique para ampliar A designer de moda portuguesa Fátima Lopes apresentou, na abertura da semana da moda de pronto-a-vestir de Paris, as suas propostas para a primavera de 2013, e pôs o jardim da sua infância, na Madeira, a desfilar pela passerelle (clique na foto para ver mais imagens do desfile).

Num compasso lento, mas forte, com uma floresta ao fundo, arrumada na parede do cenário, Paris viu desfilar — pela primeira vez, e numa sala justa para tantos olhares interessados — uma coleção inspirada nas origens de Fátima Lopes, que comemora este ano duas décadas de carreira em Portugal.

Do Luxuriant Paradise (Paraíso Luxuriante) que designer fez desfilar, destacam-se as formas geométricas, gráficas, as linhas femininas, sensuais, trabalhadas. Evidenciam-se as flores. Há muito corpo à mostra, muitos padrões, muitos detalhes, da modelagem à confeção: há uma espécie de jardim pronto-a-vestir.

Em declarações à agência Lusa antes da apresentação, que foi a segunda do primeiro dia do evento, a criadora explicou que foi o marco de duas décadas o pretexto para, “pela primeira vez, ir buscar ao fundo do baú” os traços da criação.

“A Madeira é a terra que me viu nascer, me fez mulher e criadora, porque, na verdade, eu sempre tive um estilo muito meu, e que tem muito que ver com as minhas origens, com o facto de o corpo não ser um tabu, porque na Madeira fazia sol o ano inteiro, e, portanto, o normal era ter a pele à mostra”, afirmou.

De uma infância e de uma adolescência “felizes” ficam, na coleção para a próxima primavera, “as flores, os pássaros, o sol, [e] o mar” da ilha onde Fátima Lopes ganhou “uma forma de estar na moda um bocadinho diferente da das outras pessoas”.

Quando chegou a Paris, há mais de 14 anos, conta, o que fazia “era diferente de tudo e de todos”. É isso, acredita, que ainda a faz andar por estas passerelles, e isso — a essência do que cria — é, em grande medida, mérito das suas origens.

“É uma coleção muito alegre, muito colorida, mas com as tonalidades das flores, degradês de azuis, de verdes, de rosas. É uma coleção muito estruturada, muito gráfica, geométrica, mas, sobretudo, a coleção tem muito de flores, de pássaros, de formas redondas e, em simultâneo, sobreposições”, acrescentou.

Os padrões dos tecidos foram desenhados exclusivamente para a coleção. O resto do jardim anda pelas mãos, pelos braços, ao pescoço, nos sapatos: os antúrios folheados a ouro são detalhes “importantes” na coleção, e têm também, “verdadeiramente”, uma inspiração na Madeira.

Fátima Lopes destaca ainda o lugar da cor na sua mais recente criação: “Nós precisamos — o país e o mundo — de cor. Precisa de alegria, de deixar um bocadinho de lado as desgraças. Não vamos falar da palavra proibida. E, por isso, eu quero, realmente, que seja uma coleção alegre”, concluiu.

Fátima Lopes fez hoje, no Théatre du Châtelet, a 28.ª apresentação de uma coleção em Paris, a 17.ª com o apoio do Portugal Fashion.

As coleções que Fátima Lopes e Felipe Oliveira Baptista apresentam em Paris serão depois mostradas em Portugal, no âmbito do Portugal Fashion, no Porto. As propostas de Luís Buchinho irão desfilar na passerelle da ModaLisboa, que decorre de 11 a 14 de outubro no Pátio da Galé, Terreiro do Paço.

A semana da moda de Paris termina a 03 de outubro.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos