21.4 C
Bruxelas
17 Agosto 2022

Emigrantes madeirenses ajudam vítimas do temporal

Clique para ampliar Oito famílias e três instituições da freguesia de Santo António, no concelho do Funchal, receberam um total de 25.000 euros, verba angariada por emigrantes da Madeira radicados na África do Sul após o temporal de 2010.

À agência Lusa, o presidente da junta de Santo António, freguesia onde morreram 14 pessoas e três desapareceram na intempérie de 20 de fevereiro de 2010, explicou que logo após a tragédia um grupo de emigrantes “começou a juntar dinheiro no intuito de poder ajudar algumas vítimas”.

“Conseguiram angariar 25.000 euros que reencaminharam para a paróquia da Visitação, mas a igreja não tinha conhecimento de quem já tinha sido ajudado ou de quem ainda estava a necessitar de apoio, pelo que foi pedida a colaboração da junta”, adiantou Rui Santos.

Deste trabalho, foi decidido atribuir ajudas entre os 750 e 1.500 euros aos oito agregados familiares, 12.500 euros à Casa de Saúde São João de Deus e o restante às conferências de São Vicente de Paulo das duas paróquias de Santo António, entidades que apoiaram as vítimas do temporal.

“Tratam-se de famílias cujas casas foram destruídas e tiveram que ser realojadas ou as respetivas habitações recuperadas”, afirmou Rui Santos, esclarecendo que a verba a atribuir numa cerimónia a partir das 10:00 de sexta-feira na Casa de Saúde São João de Deus destina-se a ajudar a pagar dívidas relacionadas com a compra de eletrodomésticos ou mobiliário que tiveram de fazer.

O autarca considera que esta “ajuda vem na altura certa”, referindo que, logo após a tragédia, “houve grande avalanche de solidariedade”, mas ainda há pessoas a necessitar de apoio, pelo que a verba “vem ajudar a resolver problemas destas famílias”.

Rui Santos acrescentou que a junta continua a apoiar vítimas da intempérie com ajuda alimentar, mas também no apoio à recuperação de situações ligadas à recuperação de casas.

“Pequenas reparações nos telhados, nos muros de suporte, nos quintais, pinturas, dentro das nossas possibilidades mantemos o apoio com o parco orçamento que temos”, declarou, garantindo que este processo só acabará quando todas as pessoas tiverem garantida a recuperação integral das suas habitações.

O temporal de 2010 provocou 43 mortos e seis desaparecidos, e cerca de 1.080 milhões de euros de prejuízos na Madeira.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos