21.4 C
Bruxelas
17 Agosto 2022

David Pereira: “Os portugueses não se interessam o suficiente pela política de cá”

Na corrida às eleições em Saint-Gilles, David Pereira é o nº11 da lista do CDH. Nascido na Nazaré, este luso-descendente vive há mais de 25 anos em território belga. Com formação em Economia, David Pereira é taxista no aeroporto e pai de duas crianças, com um e três anos. Ingressou no partido por influência do pai, Jacinto Pereira, também ele candidato às comunais de Outubro.

NCF: O que é que o levou a candidatar-se?
DP: Foi o actual desgosto político, como a maioria do povo, e queria fazer valer as minhas capacidades e ideias ao serviço de todos os europeus.

NCF: Quais são as suas prioridades para a Comuna de Saint-Gilles?
DP: Diminuir a criminalidade, ter as ruas mais limpas, criar emprego, diminuir as despesas com alugueres, gás e electricidade, optimizar o ensino nas escolas, investir nos jovens e ocupar o seu tempo livre (com desporto, música, etc.), acelerar o processo de legalização dos estrangeiros e ainda que a Comuna dê uma ajuda administrativa às pessoas idosas.

NCF: Como é que poderá contrariar a fraca participação cívica dos portugueses nas eleições comunais?
DP: Os portugueses estão muito bem integrados e muito bem vistos na Bélgica, por isso não se interessam o suficiente pela política de cá. Contudo, eles devem pensar no futuro dos filhos. Por exemplo, no caso de uma herança, se o herdeiro não tem dinheiro para pagar os custos do bem patrimonial (que podem ser mais ou menos 25 % do seu valor), perde o bem e, nesse casso, os pais trabalharem uma vida inteira para nada.

NCF: Durante a campanha, tem notado uma maior motivação por parte da comunidade emigrante para exercer o seu direito de voto ou não?
DP: A minha intenção é para com todos os povos emigrantes, porque já nem sou português nem sou belga. Agora temos que ser europeus e, por isso, estou receptivo a todos.

NCF: É possível resumir a sua acção política em três palavras?
DP: Solidariedade, bem-estar, qualidade de vida.

NCF: Acredita que é possível mudar a situação de não haver nenhum português eleito na comuna de Saint-Gilles? Porquê?
DP: Acho que é possível ter mais do que um português na Comuna. Os portugueses sempre foram um povo com dignidade, forte e inteligente. A história mostra-nos que os portugueses sempre foram presentes e devemos fazer dessa força uma união para continuar a sonhar, para ter mais ambição e para levar o povo europeu até ao topo.

Patrícia Posse

Artigos relacionados

Últimos artigos