17.9 C
Bruxelas
18 Agosto 2022

Cristóvão Colombo vai estar na Madeira

Clique para ampliar Porto Santo recebe de 13 a 15 de setembro mais um Festival Colombo, uma iniciativa na qual o Governo Regional vai investir este ano 107 mil euros, o que representa uma redução de 15 por cento em comparação com o valor gasto em 2011.

O programa deste evento, organizado pela secretaria do Turismo madeirense, foi apresentado em conferência de imprensa no Funchal pelo diretor regional que tutela esta área, Bruno Freitas.

“Em termos de investimento, é um cartaz que tem vindo a ser consolidado e de modo a cumprir com as regras de ajustamento financeiro. Tivemos o cuidado de fazer uma redução efetiva de 15 por cento como o determinado em termos de lei, pelo que está orçamentado 107 mil euros”, declarou.

Bruno Freitas destacou que quanto “às ocupações durante o verão, os sinais dados são positivos nesta reta final do verão, sendo que a taxa de ocupação prevista durante este festival estará dentro do verificado nos últimos anos, com ligeiro acréscimo, situando-se nos 54,64 por cento.

O responsável salientou que este festival foi pensado para ajudar a prolongar a época de verão naquela ilha, que tem um turismo marcadamente sazonal, considerando que o Porto Santo é um dos “principais pontos turísticos” de Portugal nesta altura do ano.

Para Bruno Freitas, o navegador Cristóvão Colombo é “uma figura carismática que consegue projetar o nome do Porto Santo também do ponto de vista internacional” e que este evento serve para mostrar que a ilha do Porto Santo “é um destino multifacetado, que é mais do que praia”.

Falando sobre o programa do festival que durará três dias, Bruno Freitas destacou que inclui a encenação da chegada de Cristóvão Colombo ao Porto Santo a bordo da réplica de uma nau, o seu desembarque no areal da ilha, o casamento com a filha do capitão do Porto Santo e outros episódios da sua vida enquanto ali viveu.

Haverá ainda uma feira quinhentista, animação, artesanato e gastronomia, num conjunto de eventos que serve para “recriar a mística e fazer com que os que lá estejam possam recuar no tempo”, declarou.

O responsável mencionou ainda o envolvimento da população local e dos turistas neste que é já um “cartaz consolidado” na ilha.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos