16.9 C
Bruxelas
18 Agosto 2022

Cinzas de Saramago vão ficar no Campo das Cebolas

Clique para ampliar As cinzas do escritor português José Saramago serão depositadas no dia 18, às 11:00, junto à Casa dos Bicos, em Lisboa, precisamente um ano depois da morte do Nobel da Literatura, anunciou a Fundação Saramago.


A cerimónia – “que não será de despedida, porque há pessoas a quem não se pode dizer adeus”, refere a fundação – contará com a intervenção de Jorge Vaz e Carvalho, que lerá “Palavras para uma cidade”, da escritora Lídia Jorge e do grupo de percussão Tocá Rufar.

Um ano após a morte de José Saramago, as cinzas serão depositadas no Campo das Cebolas junto a uma oliveira de Azinhaga do Ribatejo (onde o autor nasceu), a banco de jardim e a uma placa com a frase “Mas não subiu para as estrelas, se à terra pertencia”, retirada do romance “Memorial do Convento”.

Além desta cerimónia, que será encerrada pelo presidente da câmara de Lisboa, António Costa, em Portugal e Espanha estão previstas outras iniciativas que recordarão José Saramago.

No dia 17 serão apresentados nos Paços do Concelho de Lisboa os livros “Palavras para José Saramago”, “O silêncio da Água”, do escritor, e ainda “A última entrevista de José Saramago”, de José Rodrigues dos Santos.

No dia 18, na Cinemateca Portuguesa será exibido o documentário “José & Pilar”, de Miguel Gonçalves Mendes, com a presença da jornalista e mulher de Saramago, Pilar del Río.

Na sessão serão lançados o DVD e a banda sonora oficiais do filme.

A SIC também exibirá o documentário nesse dia.

No dia 19, o Centro Cultural de Belém, em Lisboa, acolherá o eseptáculo “As sete últimas palavras de Cristo na cruz”, com música de Haydn, textos de Saramago e encenação da realizadora Teresa Villaverde.

A interpretação ficará por conta da Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Em Espanha, no dia 14 na Casa da América, em Madrid, acontecerá o espetáculo “Vozes de Mulher na Obra de Saramago”, com a participação de Pilar del Río, Pilar Bardem, Aitana Sánchez-Gijon e María Pagés.

José Saramago morreu a 18 de junho de 2010 aos 87 anos, deixando uma obra literária publicada em todo o mundo e premiada em 1998 com o Nobel da Literatura.

O legado de Saramago, enquanto escritor e cidadão, será continuado na Fundação Saramago, que ficará instalada, a partir de novembro na Casa dos Bicos, em Lisboa.

Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos