23.3 C
Bruxelas
13 Agosto 2022

Cavaco quer mobilizar portugueses no estrangeiro

Clique para ampliar O Presidente da República anunciou na última sexta-feira que vai promover o «Encontro de Portugueses da Diáspora» para promover a imagem do País no estrangeiro, reunindo 20 líderes de grandes multinacionais de nacionalidade portuguesa.

O encontro, a realizar dia 4 de maio e para o qual Cavaco Silva convidou também o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, primeiro ministro, Passos Coelho, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, irá juntar ainda cinco presidentes de empresas do universo da Lusofonia, com o objetivo de discutir o contributo que podem dar para a melhoria da imagem de Portugal no exterior, noticia a Lusa.

Entre esses dirigentes empresariais que participam no «Encontro de Portugueses na Diáspora», vai estar António Almeida, radicado na Finlândia e «destacado administrador da Nokia Siemens, que já deu o seu contributo para a decisão de investimento em Portugal num centro de serviços mundial».

O Presidente da República falava na inauguração da sede do Núcleo Empresarial de Vagos, num discurso em que sublinhou que deve ser um objetivo nacional evidenciar os muitos aspetos positivos que Portugal possui.

«Nas circunstâncias atuais, a recuperação económica só se consegue através de mais exportações, mais turismo e maior investimento produtivo das empresas privadas. Encontro sinais positivos de empreendorismo, inovação, criatividade, melhoria da qualidade e aproveitamento dos recursos locais, mas não chega. É preciso melhorar a imagem no estrangeiro porque se ela não é boa compram-nos menos e pagam a preço mais baixo, os investidores estrangeiros receiam investir, os que detêm os capitais temem emprestar e os emigrantes podem ter dúvidas em fazer cá os seus depósitos», descreveu Cavaco Silva.

O Presidente da República ilustrou a importância de promover a imagem externa do País com os vinhos portugueses, que em qualidade não ficam a dever a outros de países conceituados, e dos sapatos, «que são melhores», e vendidos a preços inferiores.

Convicto de que, se a imagem do País melhorar, é possível as empresas portuguesas conseguirem melhores preços e o País obter financiamento a taxas mais baixas, o Chefe de Estado observou que «a retórica» sobre a crise pode dar «bons discursos, mas não cria emprego nem combate a exclusão».

Além do «Encontro de Portugueses na Diáspora», Cavaco Silva revelou que a Presidência da República está a trabalhar noutras iniciativas para mobilizar contributos para a melhoria da imagem externa de Portugal, nomeadamente «a identificar os portugueses que têm posição influente nos países em que estão radicados e de estrangeiros amigos de Portugal».

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos