7.3 C
Bruxelas
26 Novembro 2022

Carlos Cruz entregou-se na prisão

Clique para ampliar O apresentador de televisão Carlos Cruz entregou-se às autoridades na prisão, nesta terça-feira.

Cruz foi nesta manhã, pelas 10h40, para o Estabelecimento Prisional da Carregueira.

O mandato de prisão ainda não foi emitido.
Foi em casa que Carlos Cruz viveu os últimos dias de liberdade.

Depois de, na semana passada, ter transitado em julgado a condenação do ex-apresentador, após o Tribunal Constitucional ter indeferido o último recurso, já era certo que Carlos Cruz ia voltar à prisão para cumprir os seis anos de cadeia por abuso sexual de menores.

O advogado do ex–apresentador, Ricardo Sá Fernandes, tinha garantid0 que Carlos Cruz se ia entregar às autoridades nos dias seguintes à Páscoa.
Onze anos depois do início do escândalo de pedofilia que chocou o País, o cumprimento da prisão efetiva de Carlos Cruz marca o desfecho do processo ‘Casa Pia.

Carlos Cruz reitera tese de “erro gravíssimo”

O advogado do apresentador Carlos Cruz, que se entregou nesta terça-feira de manhã às autoridades, voltou a afirmar, em comunicado, que o seu cliente é inocente.

O ex-apresentador de televisão continua a insistir ser alvo de um “erro judicial gravíssimo” e tem uma queixa pendente no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.
“Tendo transitado em julgado o acórdão que o julgou no processo ´Casa Pia`e tendo sido requerida pelo Ministério Público a emissão de mandado para a sua condução à cadeia, a fim de cumprir a pena de prisão a que foi condenado, venho informar que o meu representado, Carlos Pereira Cruz, se apresentou hoje voluntariamente no Estabelecimento Prisional da Carregueira, pelas 10h40, ao abrigo do regime legal que permite tal entrega voluntária”, refere um comunicado de Ricardo Sá Fernandes enviado à agência Lusa.
“Aí ficou preso, após ter cumprido o respetivo procedimento de ingresso”, acrescenta.
O Tribunal da Relação de Lisboa, em sede de recurso, alterou a pena inical de sete anos de prisão a que Cruz tinha sido condenado na primeira instância, fixando-a em seis anos (por três crimes de abuso sexual).

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/carlos-cruz-reitera-tese-de-erro-gravissimo

Artigos relacionados

Últimos artigos