4.7 C
Bruxelas
30 Novembro 2022

Bruxelas não se opõe à anulação do projeto TGV

Clique para ampliar O comissário europeu dos Transportes negou “qualquer conflito” com Portugal devido à decisão do Governo de abandonar o projeto do TGV, considerando mesmo que “talvez nem seja muito racional” querer implementar a alta velocidade em toda a Europa.

Falando numa conferência de imprensa no final de um Conselho de Ministros dos Transportes da União Europeia, precisamente dedicado às redes transeuropeias de transportes, o comissário Siim Kallas, ao ser questionado sobre a decisão de Portugal de abandonar definitivamente o projeto de TGV, relativizou a questão, afirmando que as ligações ferroviárias de velocidade elevada nas quais o país deverá antes investir “são também muito rápidas”.

Apontando que, por exemplo, o TGV entre Paris e Bruxelas atinge velocidades superiores a 300 km/hora, Kallas sustentou que “talvez não seja muito racional” querer aplicar este modelo em toda a Europa ou fazer deste objetivo uma prioridade, até porque os comboios de velocidade elevada cumprem também os objetivos, com velocidades na ordem dos 200 km/hora, “o que significa que em quatro horas cobrem 800 quilómetros”, uma área apreciável.

“Sejamos racionais no desenvolvimento desta rede” transeuropeia, acrescentou.

O comissário garantiu por isso que “não há qualquer conflito com Portugal neste momento”, até porque o país continuará a assegurar ligações importantes, no quadro da rede transeuropeia.

Em setembro do ano passado, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, já anunciara que a Comissão Europeia autorizou Portugal a aplicar os fundos que estavam destinados à alta velocidade ferroviária na ligação em bitola europeia dos portos portugueses ao resto da Europa.

“Desse ponto de vista, a posição que a Comissão Europeia já adotou, permitindo-nos substituir a alta velocidade por velocidade elevada, permitir-nos-á aplicar, sem perda de fundos comunitários, os investimentos que estavam previstos para a alta velocidade para aplicar nas mercadorias, na ligação em bitola europeia dos portos portugueses para o centro da Europa”, referiu na altura Passos Coelho.

Na quarta-feira, o Governo anunciou que o projeto do TGV será “definitivamente abandonado”, depois do chumbo do Tribunal de Contas ao contrato do troço Poceirão-Caia.

Presente no Conselho ministerial de hoje em Bruxelas, o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, escusou-se a falar aos jornalistas portugueses.

FONTE: Bomdia.lu

[ Governo português acaba com o projeto TGV ]

[ TGV gera buraco de 390 milhões ]

Artigos relacionados

Últimos artigos