18.8 C
Bruxelas
19 Agosto 2022

Biografia de Fernando Pessoa

Para cada nome, uma personalidade e um estilo. Fernando Pessoa foi, simultaneamente, um poeta português em sentimento e linguagem ; um literato inglês que pensava em inglês e que escreveu sobre Antínoo ; um inimigo dos dogmas ; um crítico e um esteta.

É de Bernardo Soares o verso "a minha pátria é minha língua". Na sua obra, Álvaro de Campos desenvolveu a obsessão sonho/realidade que percorre toda obra de Pessoa : "…à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro". Alberto Caeiro enfrentava a realidade angustiante do quotidiano quando afirmava "acordei para a mesma vida para que tinha adormecido, até os meus exércitos sonhados sofreram derrotas". Ricardo Reis escreveu poemas apaixonados à Ofélia, a mulher abandonada por Fernando Pessoa porque, "além da literatura, tudo o mais é secundário". Mas o próprio Ricardo Reis desmentiu este amor na estrofe "ninguém a outro ama, senão que ama/ o que de si há nele, ou é suposto".

Entre tantas pessoas ou personas (palavra latina que significa máscara), Fernando Pessoa – intelectual, tradutor, pioneiro no movimento modernista e boémio – revelava a sua visão do mundo, sujeito à instabilidade e à inconstância : "perder tempo comporta uma estética" ou, então, "ébrio de erros, perco-me por momentos de sentir-me viver" (ver A errata).

 Na vida, publicou apenas um livro em português, Mensagens (1934), poemas sobre os mitos portugueses. Mas deixou incontáveis originais que, até recentemente, eram encontrados em baús de sua família. Também deixou uma grande quantidade de artigos, críticas e estudos publicados nas revistas Águia, A Renascença e Orfeu, esta última com apenas dois números, o segundo editado pelo próprio Fernando Pessoa.

Fernando Pessoa atualizou e desenvolveu todas as vertentes poéticas portuguesas do início do século XX. E, com exceção de Mensagens e alguns poemas em inglês, toda a sua obra foi publicada postumamente. Entre os títulos, de vários heterónimos, destacam-se o Livro do desassossego, Poemas, Páginas de doutrina estética, Textos filosóficos, Poesias, Odes, Obras em prosa e Obra poética.

Entre os seus poemas destaca-se a Saudação a Walt Whitman, anterior à Ode a Walt Whitman, de Federico García Lorca. O poeta norte-americano Allen Ginsberg fez paródia do poema em Salutation to Fernando Pessoa.

No Livro do desassossego, confissões de um escritor sem eu imutável, Pessoa reflete sobre a vida, a criação, a estupidez das guerras, os limites do pensamento, a emoção e a linguagem : "Sem sintaxe não há emoção duradoura. A imortalidade é uma função dos gramáticos.

Adaptado do site www.falalingua.hpg.ig.com.br

Artigos relacionados

Últimos artigos