3.8 C
Bruxelas
8 Dezembro 2022

Bento XVI defende “direito a não emigrar”

Clique para ampliar O papa defendeu esta segunda-feira “o direito a não emigrar” como um direito fundamental e convidou os governantes a fazerem tudo para que as populações permaneçam nos respectivos países.

“Antes mesmo do direito de emigrar, é necessário reafirmar o direito a não emigrar, isto é, o de ficar na sua própria terra”, sublinhou Bento XVI na mensagem para preparar a Jornada dos migrantes e refugiados, que será celebrada em Janeiro.

O papa recordou que “o direito da pessoa a emigrar está inscrito nos direitos humanos fundamentais” mas sublinhou a importância de ter “sob controlo os factores que empurram para a emigração”.

Em vez de uma “peregrinação animada pela confiança, pela fé e pela esperança”, “numerosas migrações são consequência da precariedade económica, da falta de bens essenciais, de catástrofes naturais, de guerras e de desordens sociais”.

“Migrar torna-se então um calvário para sobreviver, onde homens e mulheres aparecem mais como vítimas do que como atores e responsáveis da sua aventura migratória”, observa o papa.

O papa denuncia ainda as consequências de tais situações para alguns, afirmando que “muitos vivem condições de marginalização e, talvez, de exploração e de privação dos seus direitos humanos fundamentais, ou ainda adoptam comportamentos prejudiciais para a sociedade no seio da qual vivem”.

Ler mais em: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/bento-xvi-defende-direito-a-nao-emigrar

Artigos relacionados

Últimos artigos