2.6 C
Bruxelas
3 Dezembro 2022

Bactéria E.coli: Afinal ninguém sabe nada

Clique para ampliar Os primeiros testes de E. Coli em rebentos de vegetais deram negativo. As amostras vinham de uma quinta em Uelzen, próximo da cidade alemã de Hamburgo, que se suspeitava estar na origem do surto da bactéria. As autoridades alemãs continuam a desaconselhar o consumo desses vegetais, bem como de tomates e pepinos.


Depois de terem sido testadas 23 das 40 amostras de rebentos de vegetais da quinta em Uelzen, as autoridades locais confirmaram que as análises foram negativas. A origem do surto de infecções provocada por uma variante da bactéria Escherichia coli continua ainda por determinar.

As autoridades alemãs chegaram a referir que a infecção teria tido origem em pepinos provenientes de Espanha, mas algumas análises já efectuadas também afastaram essa possibilidade. Até agora, o surto de infecções já afectou cerca de 2200 pessoas em 12 países, ainda que os casos detectados fora da Alemanha estejam relacionados com pessoas que vieram deste país.

O surto de infecções já causou 23 mortes, uma delas uma mulher de 90 anos que morreu hoje na Alemanha devido a problemas renais graves causados pela bactéria, adiantaram as autoridades sanitárias de Schleswig-Holstein, no Norte da Alemanha.

A quinta onde foram realizados os testes fornece diversos mercados e restaurantes de Hamburgo e das regiões vizinhas. Depois de terem sido analisados os rebentos de vegetais, irá ser também avaliado o sistema de rega e de ventilação para determinar se há contaminação com a variante 0104:H4 de E. Coli, a causadora das graves infecções que provocam diarreia hemorrágica e atacam os rins. “As investigações irão continuar”, garantiu o ministério da Agricultura da região da Baixa Saxónia.

“A investigação está a ser muito difícil porque já passaram várias semanas desde o início da epidemia”, admitiu ao “El Mundo” Gert Hahne, porta-voz do Ministério da Agricultura da Baixa Saxónia. A possibilidade de o surto ter tido origem em rebentos de vegetais era, até agora, aquela que os especialistas consideravam mais provável.

Entretanto, a ministra alemã da Agricultura, Ilse Aigner (na foto), disse que o consumo de rebentos de vegetais, tomates ou pepinos continua a ser desaconselhável. “O Instituto Robert Koch, [que tem feito algumas das análises] e o instituto federal para a avaliação dos riscos mantêm essa recomendação”, sublinhou numa conferência de imprensa em Berlim. “Os primeiros testes não indicam a presença da bactéria, mas apesar disso penso que ainda é necessário manter o alerta.”

Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos