1.2 C
Bruxelas
4 Dezembro 2022

As férias dos políticos portugueses

Clique para ampliar A visita da delegação internacional da troika a Lisboa – para a quinta avaliação ao programa de ajuda a Portugal – levou os membros do Governo a concentrar as férias de Verão na primeira metade de Agosto. A única excepção é mesmo Vitor Gaspar que já se encontra a gozar o curto período de descanso a que teve direito (em parte incerta) depois de um ano atribulado.

O ministro das Finanças regressa já na segunda-feira para substituir Pedro Passos Coelho quando o primeiro-ministro se refugiar com a família na Manta Rota (na foto), no Algarve, nas primeiras duas semanas de Agosto. O número um e dois do Governo coordenaram as agendas para um mês que acaba por ser atípico e que pressupõe trabalho de casa para apresentar aos chefes da delegação da troika lá para o final de Agosto – na última semana.

A quinta avaliação da troika é considerada no núcleo duro do Governo como a mais sensível até ao momento – pela derrapagem nas contas deste ano, pela preparação do Orçamento de 2013 e agora também pela evolução da crise em Espanha.

De resto, a ordem do primeiro-ministro para que todos no Governo fizessem férias no país foi inteiramente respeitada.

As ‘férias’ mais originais serão as do ministro dos Negócios Estrangeiros e líder do CDS-PP, Paulo Portas: vai ficar nos Açores até meio de Agosto, em plena época de campanha eleitoral para as regionais de 14 de Outubro. O partido fez até um comunicado: Portas vai ficar na ilha de São Miguel, «mas não exclui a hipótese de visitar outras ilhas».

O sul do país é a opção maioritária dos ministros: José Pedro Aguiar-Branco, Paula Teixeira da Cruz e Pedro Mota Soares vão todos para o Algarve. Miguel Macedo deverá ser o único membro do Governo a adiar as férias. O Ministério da Administração Interna quer concentração máxima nos incêndios, pelo que férias são palavra adiada naquela ala do Terreiro do Paço.

Na oposição socialista, Seguro vai para a Costa Vicentina – um pouco acima, territorialmente, dos membros do Executivo. O seu líder parlamentar, Carlos Zorrinho, é o único entre os que responderam ao SOL a fazer viagem ao estrangeiro, passando uma semana em Marrocos, outra em Portugal. No Algarve podem encontrar-se os chefes das bancadas do PSD, CDS e Bloco, sendo que só Luís Fazenda deve levar como leitura o último livro do Nobel da Economia, Paul Krugman.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos