6.8 C
Bruxelas
29 Novembro 2022

Árabes querem que blasfémia seja crime

Clique para ampliar O chefe da Liga Árabe, Nabil Elaraby, defendeu a criminalização da blasfémia ao discursar perante o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, noticia a AP.

Elaraby justificou a pretensão com a consideração de que os insultos à religião constituem uma ameaça séria à paz e à segurança internacionais.

As declarações de Elaraby colocaram-no em rota de colisão com os Estados Unidos e muitos dos seus aliados ocidentais, que se opõem a qualquer restrição da liberdade de expressão.

Porém, o dirigente árabe disse que se o Ocidente criminalizou atos que podem resultar em danos pessoais, também deve criminalizar atos que podem causar “danos psicológicos e espirituais”.

Elaraby condenou a violência que irrompeu no mundo muçulmano em resposta a um filme anti-islâmico produzido nos Estados Unidos, mas avisou que se não forem criadas e aplicadas leis anti-blasfémia podem repetir-se incidentes similares.

FONTE: Bomdia.lu

Artigos relacionados

Últimos artigos