18.8 C
Bruxelas
19 Agosto 2022

25 de Abril de 1974

25 de Abril de 1974Todos os homens eram obrigados a ir à tropa (na altura estava a acontecer a Guerra Colonial) e a censura, conhecida como “lápis azul”, é que escolhia o que as pessoas liam, viam e ouviam nos jornais, na rádio e na televisão.

Antes do 25 de Abril, todos se mostravam descontentes, mas não podiam dizê-lo abertamente e as manifestações dos estudantes deram muitas preocupações ao governo.

Os estudantes queriam que todos pudessem aceder igualmente ao ensino, liberdade de expressão e o fim da Guerra Colonial, que consideravam inútil.

Os países estrangeiros, que no início apoiavam Salazar e a sua política, começaram a fazer pressão contra Portugal. Por isso o governante dizia que o nosso País estava “orgulhosamente só”.

25 de Abril de 1974Quando Salazar morreu foi substituído por Marcelo Caetano, que não mudou nada na política.

A solução acabou por vir do lado de quem fazia a guerra : os militares. Cansados desse conflito e da falta de liberdade criaram o Movimento das Forças Armadas (MFA), conhecido como o “Movimento dos Capitães”.

Depois de um golpe falhado a 16 de Março de 1974, o MFA decidiu avançar. O major Otelo Saraiva de Carvalho fez o plano militar e, na madrugada de 25 de Abril, a operação “Fim-regime” tomou conta dos pontos mais importantes da cidade de Lisboa,em especial do aeroporto, da rádio e da tv.

25 de Abril de 1974As forças do MFA, lideradas pelo capitão Salgueiro Maia, cercaram e tomaram o quartel do Carmo, onde se refugiara Marcelo Caetano. Rapidamente, o golpe de estado militar foi bem recebido pela população portuguesa, que veio para as ruas sem medo.

Para os militares saberem quando avançar foram lançadas duas “senhas” na rádio : a primeira foi a música “E Depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho, a segunda foi “Grândola, Vila Morena”, de Zeca Afonso, que ficou ligada para sempre ao 25 de Abril.

Depois de afastados todos os responsáveis pela ditadura em Portugal, o MFA libertou os presos políticos e acabou com a censura sobre a Imprensa. E assim começou um novo período da nossa História, onde temos liberdade, as crianças todas podem ir à escola e o País juntou-se ao resto da Europa. Mas ainda há muito, muito caminho a percorrer…

Adaptado do site Júnior (www.junior.te.pt)

Artigos relacionados

Últimos artigos